Fernando Cyrino

Caminhando e saboreando a vida.

Textos


O velho, a seca, a reza e o guarda-chuva

   Uma história de fé
 
A chuva fora embora. A terra esturricada não deixava brotar o verde. A bicharada, pele e osso, caia e não levantava mais. Agourentos, urubus espreitavam nas galhadas secas pela morte se avizinhando. Nas casas a água disponível era barrenta e, mesmo assim, só podia ser bebida e usada com parcimônia.

Em meio a esta triste realidade, numa pequenina cidade do sofrido Nordeste, o padre convocara o povo para a oração implorando pela chuva. No domingo, sol inclemente, arrasta-se a procissão rumo ao alto do morro para clamar ao pé da cruz.

O povaréu ainda se acomodava em meio à poeira e pedras do topo, quando o céu, num repente, se faz escuro. A chuva cai forte. O povo, ensopado, dança e canta agradecido a Deus. Aliás, minto, nem todos se molharam. No meio da multidão, paramentos escorrendo, o sacerdote vê o guarda-chuva aberto.

Através do olhar embaçado, percebe tratar-se de homem bem idoso. Surpreso lhe grita. “Mas o senhor trouxe guarda-chuva!” Boca arreganhada e sem dentes, o velho sorri para o reverendo. “Mas padre, o senhor não disse que a reza era para pedir chuva?”
Fernando Cyrino
Enviado por Fernando Cyrino em 28/06/2012
Alterado em 11/02/2016
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras