Fernando Cyrino

Caminhando e saboreando a vida.

Textos


A mula, o mouro e o santo

Numa estrada seguia o homem em sua mula. Fora cavaleiro da Corte. No passado vestira roupas vistosas e coloridas. Agora mais parecia um mendigo. A postura era outra coisa. A altivez do porte denotava não ser ele qualquer um.

Preferia ter seguido caminhando, mas a perna menor, ferida quando em batalha, a lhe entortar o corpo, fazia com que a coluna doesse demais. Era impossível que fizesse a pé, naquele dias de muitas dores, o longo percurso a que se determinara.

No caminho encontrara outro homem em belo cavalo negro.
Depois das regulares saudações, entabularam gostosa conversa, eis que falavam das coisas de Deus. Um e outro nem percebiam as passagens das horas e curvas da trilha. 

Foi assim até que entrou no bate-papo deles o assunto Nossa Senhora. Encantado com sua mãe do céu, Inácio era só elogios. O homem, na verdade um muçulmano, ficou calado um tempo. Quando abriu de novo a boca foi para dizer:

“Também aprecio muito a mãe de Jesus, mas esta história de permanecer virgem depois do nascimento... Nessa, o senhor vá me desculpando, mas em tal fato milagroso sou incapaz mesmo de acreditar”.

O homem da mula empertigou-se ainda mais na montaria. Baixinho ganhou alguns centímetros com a posição adotada. Não disse mais nada. Fez que o passo da montaria diminuísse e foi ficando para trás.

Ruminava as palavras do mouro e a raiva foi aumentando na medida em que ele sumia lá adiante na estrada. Quando explodiu a decisão estava tomada. Mataria tal homem que duvidara da virgindade da mãe do Salvador e sua mãe. Estaria vingado assim tal ultraje.

Esporeia o animal para que andasse mais ligeiro. É neste passo que chegam a uma encruzilhada. Estacam sem saber qual direção tomara o inimigo. No chão as tentativas de identificar, entre tantas pegadas, aquelas do cavalo preto resultam em vão.

Na verdade enquanto vinha a passos mais ligeiros, um raio de consciência lhe viera. Passou a viver a dúvida se seria mesmo algo bom, vindo desde a vontade de Deus, a deliberação do assassinato. Nessa suspeita não sabia qual das estradas tomar.

Deixa então para as patas do burro a séria determinação do rumo a ser seguido. O bicho se mostra mais prudente e sábio que seu dono e não toma aquela estrada, pela qual o homem que duvidara da pureza de Maria tinha seguido.

Não fosse a mula haver salvado o mouro da morte e Inácio de Loyola do assassinato, bem provavelmente não teríamos hoje o santo.


Moral da história: Mesmo tendo o burro sido inteligente e escolhido o caminho correto, nunca deixe aos animais as decisões que você precisa tomar.
Fernando Cyrino
Enviado por Fernando Cyrino em 15/10/2012
Alterado em 12/02/2016
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras