Fernando Cyrino

Caminhando e saboreando a vida.

Textos


O desencanto do meu amigo 

Quando ele chegou por lá as coisas eram bem diferentes. Deixaram o meu amigo fascinado. As pessoas achavam tempo para bater papo, se curtir e mesmo brincar umas com as outras. Pouco a pouco, a partir do que chamavam de avanço tecnológico, aquele mundo foi se tornando mais estranho.

Ao invés de conversar preferiam olhar admiradas para telas de luzes. Algumas bem grandes que chamavam televisão. Outras menores, as quais davam o nome de computadores. Estes monstros se espalhavam por todo canto. Desses havia de variados tipos. Uns até que levavam abertos para todos os lugares. Os que faziam mais sucesso eram uns pequeninos. Cabiam na palma da mão. Parece que feitos para se conversar a distância. Só que a maneira como eram usados ia muito além disto.

Fato é que de tanto olhar para esses focos cheios de brilho, as pessoas deixavam de mirar os olhos daqueles que mais amavam e que lhes pediam atenção e cuidado. Foi assim que o amigo alienígena se desencantou. Um dia, sem nem se despedir, foi-se embora em busca daquele mundo mais humano e tão gostoso que um dia conhecera por ali.


 
Fernando Cyrino
Enviado por Fernando Cyrino em 26/11/2012
Alterado em 22/03/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras