Fernando Cyrino

Caminhando e saboreando a vida.

Textos


AZULEJOS

Doze horas em ponto. Será que isto é hora adequada para se marcar encontro de negócio? Só mesmo o obsessivo Olquiste, ser que parece oriundo de alguma galáxia distante, para me obrigar a um sacrifício assim. Tinha que ser esse professor alemão, totalmente aloprado a me forçar a ter torrados os miolos em frente ao Relógio de Sol.

Meu parceiro bem que tentou que as coisas se realizassem na segurança do hotel: “peças pra lá, dinheiro pra cá”, mas o gringo sistemático fez absoluta questão de que os dezoito azulejos lhe fossem entregues, sol a pino, no Parque da Cidade. Cada doido com sua mania e o nosso, de nome esquisito, se excede. Com vistas a aumentar a confiança, Jonas lhe afiançou ser simples intermediário ganhando uma ninharia com a parada. O profissional que ao longo de anos trocara as peças, ao mesmo tempo em que guardava as originais, é quem estaria com a mercadoria. Desse jeito, pela causa nobre dos azulejos de Athos Bulcão, me tornei pedreiro.

O que não sabia era que sujar roupa e fazê-la parecer velha é praticamente uma arte. Amassei-a bastante ao mesmo tempo que a lambuzava de barro retirado do vaso de samambaia. Aproveitando a chuva meti os pés nas poças borrando os sapatos há muito não usados. Respinguei óleo de cozinha numa bolsa antiga. A mancha fez com que envelhecesse ainda mais e dentro dela meti os bilhetes de loteria premiados. Havíamos definido um preço extorsivo imaginando que fosse comprar um azulejo apenas, escolhido a partir das fotos enviadas. Mas o homem, totalmente imprevisível, nos afiançou que levaria todos. Multiplicou por dezoito e nos deu seu de acordo.

Surpreendidos pedimos um prazo para preparar as encomendas, colá-las com argamassa enfraquecida deixando-as uns dias ao sabor do tempo. A tarefa foi cumprida nos fundos da minha casa no Núcleo Bandeirante. Nenhum azulejo repetido e cada qual mais lindo. A fornecedora, além de competente, é cuidadosa e as cerâmicas vitrificadas foram produzidas de tal forma que parecem saídas do túnel do tempo: perfeitos anos sessenta. Nosso cliente adquiriu gatos por lebres, mas jamais desconfiará retornando feliz e orgulhoso ao seu país. No apartamento de Munique estarão emoldurados alguns exemplares, mesmo que piratas, oriundos da criação genial do artista brasileiro.

Só poderia ser aquele grandalhão de cabelos avermelhados a contemplar o relógio de sol, como se saboreasse a epifania maior da vida. Aproximei-me e sussurrei a senha combinada: atos no balcão. A contra senha veio forte num inconfundível sotaque germânico: azulejos nos painéis. Falou autômato e sem me olhar com a mirada de êxtase em direção à vistosa sombrinha de moça, que é como eu chamo o relógio de sol.

Estendi em sua direção a sacola ansioso para me livrar da missão, pegar a erva e me safar. O alemão doido fez sinal de espere com a mão esquerda. Recolhi o braço e passei a também olhar a escultura. Queria descobrir o que nela havia que tanto encantava o nosso freguês. Não sei o quanto durou a cena, bem provável que não tenham sido nem três minutos, mas o medo amplia a percepção do tempo e aquilo pareceu ter demorado uma eternidade. E se a polícia desconfiasse de mim, um pobretão com uma bolsa velha estendida na direção daquele homenzarrão de paletó e gravata? E se chegassem e a revistassem? Evidente que o conteúdo jamais poderia estar comigo. E tremia ao me imaginar sem o dinheiro da venda e, pior ainda, privado da liberdade.

De repente deu-se a transformação e o relógio deixou de existir. Foi como se minha chegada tivesse acontecido naquele instante. Cumprimentou-me efusivo explicando que aguardava o fio do pino sombrear a linha das doze horas para fechar o negócio. Aquiesci de bom grado, sem dúvida que aquele não era o momento para se discutir com um louco. Estiquei de novo o braço na aflição de dar por encerrada a venda.

Prof. Olquistes apontou para um ponto além do relógio partindo célere para lá. Eu tentando segui-lo com minhas pernas curtas, a sentir raivas daquele homem excêntrico. Então se ajoelhou na grama seca e me tomou a maleta. Começou a desembrulhar azulejo por azulejo colocando-os no chão. Fazia sua maluquice ao mesmo tempo em que eu corria atrás das folhas do Correio Braziliense sendo espalhadas pelo vento. O comprador parecia fazer escolhas, separava um e outro experimentando diferentes arranjos. Combinava cores e desenhos a criar maravilhas nas peças que, apesar de falsas, constituíam-se arte praticamente pura. Se diante do relógio ele parecia receber a revelação do sentido da vida, agora a epifania se tornava ainda maior. Será que Deus se revelava naquelas obras? O alemão pirado chorava e dava gargalhadas beijando azulejos piratas e solfejando algo que me soava como uma Cantata de Bach.

Uma sirene fez com que me voltasse o pavor da prisão com a boca na botija. Temendo que a minha voz alta chamasse a atenção de ouvidos curiosos, lhe indaguei a respeito do pagamento. Mais uma vez sendo ignorado o sistemático alemão me entregou um pacotão, arrancado com dificuldade do bolso inchado do chamativo blazer xadrez. Peguei aquilo dando um jeito de espiar dentro e pude observar as quantidades de euros. Fui saindo em passos aflitos de quem anseia por correr, mas precisa seguir devagar. Chegado ao estacionamento o alívio de olhar em volta e reparar não haver sido seguido.

Jonas, mais ansioso ainda, me aguardava em seu apartamento e abrimos o pacote. Meu Deus, ali estava contida praticamente toda a vida do alemão. Além dos grossos maços de notas, mais do que o triplo do contratado, o embrulho guardava passagens aéreas, documentos, duas chaves, uma caderneta cheia de anotações, cartões de crédito com senhas, agenda e o passaporte do obsessivo mestre.
 
Fernando Cyrino
Enviado por Fernando Cyrino em 15/05/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras