Fernando Cyrino

Caminhando e saboreando a vida.

Textos

LILICA E O POÇO
Lilica e o poço

A quem pedir ajuda? O pai, sempre tão violento, o mataria ao tomar conhecimento da confusão.  A mãe, mais uma vez internada, não dava notícias de nada e muito menos era ele sabedor dos caminhos e conduções, para se chegar à clínica. Da última vez, ela nem fora capaz de reconhecê-lo. Ouviu quando a doente indagava da enfermeira que garoto era aquele ali do lado? Foi soltar pipa, ao invés de permanecer próximo à irmãzinha sob seus cuidados.

Lembrou-se de Pedro. O menino forte e respeitado na turma que, quando estava por perto, o defendia dos ataques das hordas opressoras do bulliyng. O protetor jogava futebol com os mais velhos e nenhuma atenção lhe concedeu. Sem conseguir pensar em mais nada, de repente viu, parado no ponto do ônibus, o rapaz esquisito. Aquele que vivia a lhes oferecer doces e dinheiro, enquanto ia se tornando pegajoso, numa aflição de os apertar e acariciar. Ao atravessar a rua para falar com ele, foi chegando o coletivo e o cara partiu.

Melhor ir para perto dela, fazer novas tentativas de tirá-la de lá e lhe dar um banho. Secar suas roupas e arrumar as coisas de tal forma, que ficasse impossível do pai perceber o sufoco que passara naquela tarde. No caminho de volta lhe veio a ideia luminosa do lençol. Ele o arrancaria da cama e o lançaria lá embaixo. Simples assim, a criança o agarraria e ele então poderia puxá-la para fora. Estaria salva.

Na rua de trás a mulher, ao passar por ele, reparou que chorava. Perguntou, carinhosa, pelo motivo das lágrimas. Abaixou os olhos e correu mais rápido ainda. Jamais a sua casa estivera tão distante. Chegou, enfim. Correu para o quarto, puxou o lençol azul claro da sua cama. Os pequenos pulmões estavam prestes a estourar.

No quintal o buraco dava a impressão de haver crescido. Parecia ainda maior do que o tamanho da sua angústia. Emborcada e com os braços e pernas abertos, lá no fundo, Lilica jazia abraçada pela água. Parecia procurar alguma coisa na escuridão do fundo do poço.  
Fernando Cyrino
Enviado por Fernando Cyrino em 27/07/2017
Alterado em 27/07/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras