Fernando Cyrino

Caminhando e saboreando a vida.

Textos


A ROSA E O CRAVO (ec)

Adorava esse seu cuidado para comigo, amor. E tem gente que ainda é capaz de afirmar que o romantismo é démodé. Dizem isto porque não viram o jeito com que me tratava: com grande gentileza abria a porta do carro, perguntava-me se estava adequada a temperatura do ar condicionado, puxava a cadeira quando íamos nos assentar à mesa e me servia, sorrindo, a taça de vinho... Mas você se superava mesmo era quando me presenteava com rosas. Ah, amava de montão esse seu gesto. Ao recebê-las eu me sentia o homem mais feliz do mundo. Pena que, tarde demais, fui compreender o sentido do ramalhete tão diferente que me enviou pouco antes de tudo ter acontecido. Puxa, te amava tanto e você me mandou cravos de defunto.

Este conto faz parte do desafio dos Encantos Literários com o tema Romantismo é demodê? Veja outros trabalhos com esta mesma linha em: http://encantodasletras.50webs.com/romantismoedemode.htm
Fernando Cyrino
Enviado por Fernando Cyrino em 01/07/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras