Fernando Cyrino

Caminhando e saboreando a vida.

Textos


Jesus atrai para si o diferente e o distante - Reflexão sobre a Mesa da Palavra - Domingo da Epifania - Ano A 

Tendo nascido Jesus na cidade de Belém, na Judéia, no tempo do rei Herodes, eis que alguns magos do Oriente chegaram a Jerusalém, perguntando: 'Onde está o rei dos judeus, que acaba de nascer? Nós vimos a sua estrela no Oriente e viemos adorá-lo.' Ao saber disso, o rei Herodes ficou perturbado assim como toda a cidade de Jerusalém. Reunindo todos os sumos sacerdotes e os mestres da Lei, perguntava-lhes onde o Messias deveria nascer. Eles responderam: 'Em Belém, na Judéia, pois assim foi escrito pelo profeta: E tu, Belém, terra de Judá, de modo algum és a menor entre as principais cidades de Judá, porque de ti sairá um chefe que vai ser o pastor de Israel, o meu povo.' Então Herodes chamou em segredo os magos e procurou saber deles cuidadosamente quando a estrela tinha aparecido. Depois os enviou a Belém, dizendo: 'Ide e procurai obter informações exatas sobre o menino. E, quando o encontrardes, avisai-me, para que também eu vá adorá-lo.' Depois que ouviram o rei, eles partiram. E a estrela, que tinham visto no Oriente, ia adiante deles, até parar sobre o lugar onde estava o menino. Ao verem de novo a estrela, os magos sentiram uma alegria muito grande. Quando entraram na casa, viram o menino com Maria, sua mãe. Ajoelharam-se diante dele, e o adoraram. Depois abriram seus cofres e lhe ofereceram presentes: ouro, incenso e mirra. Avisados em sonho para não voltarem a Herodes, retornaram para a sua terra, seguindo outro caminho. Mt 2,1-12

Na festa de Natal daquela família ocorreram surpresas. Pessoas trajando roupas esquisitas. Gente a agir e pensar conforme a realidade das suas culturas. Tinham gestos, palavras e atitudes bem distintas daqueles ali praticados. Até a fé que professavam não era a que se vivia naquela casa. Apesar de serem assim tão diferentes, eles foram acolhidos. E então celebraram juntos aquele que os visitantes não entendiam ainda bem quem era. 

Celebramos a epifania, a manifestação do Senhor. Trata-se da festa, assim a considero, da acolhida aos diferentes. A recepção amiga àqueles que não pensam e vivem como nós. Através dessa celebração entenderemos mais claramente o que nos ensina o Concílio Vaticano II, ao afirmar que “o mundo está cheio de sementes do Evangelho”.

Basta que haja a atitude de abertura do coração para que elas germinem, fazendo com que caminhem para Jesus. Isaías nos lembra isso na primeira leitura. Poderia dizer, escrevesse-nos atualmente, que os estacionamentos ficariam cheios de carros e ônibus daqueles que vêm para ver o Senhor. A imagem que usa, adequada ao seu tempo fala da invasão dos camelos e dromedários.

Paulo, escrevendo aos Efésios alerta-nos para essa mesma realidade. Ele vem nos contar que os “pagãos são admitidos à mesma herança, são membros do mesmo corpo, associados à mesma promessa, em Jesus Cristo, por meio do evangelho.” Jesus é o grande e potente imã que a todos atrai.

Esses são tempos de fechamento ao diferente, ao que vive de maneira distinta e professa outra fé. Gente assim é, na melhor das hipóteses, vista com desconfiança. Na hipótese mais radical será, de algum modo, rechaçada violentamente. É preciso olharmos mais de perto a acolhida dos magos ao presépio. Acho que aqui cabe nos indagarmos: fosse hoje seriam acolhidos com a mesma abertura que Maria e José os receberam? 

Às vezes tenho a sensação que nós, os cristãos, nos colocamos em círculos e ao invés de olharmos, a partir deles, para fora, nos voltamos para dentro e ficamos só nos reparando. Manter-se assim nessa posição é terrível, eis que teremos dificuldades em perceber os que estão fora da nossa casa. Terminamos por, consciente ou mesmo inconscientemente, os excluir.

Nos diferentes está a semente do Evangelho e cabe aproximarmo-nos para receber os “presentes” que nos trazem. Por termos recebido a revelação plena de Deus, podemos achar que nada precisamos aprender dos outros. Triste engano ao pensar assim. O outro tem sempre algo para ensinar, clareando a revelação de Deus para mim. É o Espírito Santo que, livre, age também nele me trazendo, caso se esteja aberto para acolher, coisas novas e bonitas a respeito do Senhor.

Desde o seu nascimento e o Evangelho desse Domingo nos prova isto, Jesus atrai e acolhe os diferentes e distantes. Ele é para nós exemplo gritante da necessidade de darmos mais atenção ao diálogo inter-religioso, ainda mais em tempos, como os nossos tão violentos na questão religiosa. Buscarmos com os diferentes o que nos aproxima. E há várias coisas que nos são comuns. A ética, a busca do bem e da justiça, a paz, o cuidado com o mundo, o respeito a vida...

Os Magos que chegam eram cientistas daquela época. Homens que sentiram a vinda do Messias através da sua fé e ciência e que vieram adorá-lo. Possuíam outras crenças e acreditavam em outros deuses. É bem provável que tivessem os astros como divindades.

Com abertura de coração eles se colocam a caminho e viajam para saber melhor quem é aquele menino. Sentem grande alegria ao vê-lo e se ajoelham para adorá-lo. Mateus, ao nos mostrar este diálogo de adoração entre a fé da Sagrada Família e a ciência dos magos, quer também nos mostrar que a tecnologia, a ciência e a inteligência humana, dons de Deus, devem se colocar a serviço da fé.

Há que se tomar cuidados para não misturá-las no mesmo caldeirão como se fosse uma só coisa. Fé e Ciência são caminhos paralelos e complementares. A fé que dá sentido à ciência e essa trazendo-nos, a partir do entendimento das coisas, uma maior proximidade com o Transcendente.

Em muitos países é na Epifania que se dão os presentes. Valerá a pena refletir sobre eles atualizando o seu sentido dentro dos Evangelhos da infância de Jesus. O presente em última instancia é dar o Cristo para o outro.

O que o presente é:
- Símbolo do dar-se ao outro – no presente vou eu. Ao levar ouro, incenso e mirra os magos se dão ao Senhor.
- Testemunho de amor – Eu presenteio porque amo o outro e reconheço nele o Amor maior que é Deus.
- Mostra da importância do outro para a minha história – Ele é presente de Deus para mim e quero que saiba o quanto de bem a sua presença na minha vida causa.
- Gratuidade – O presente é o transbordamento em mim dos dons de Deus. É graça, é de graça e é dado pela graça...

O que o presente não é:
- A “compra” do outro – Ao contrário, com o presente quero dizer que o outro é totalmente livre, porque é fruto do Amor.
- Fazer com que o presenteado se torne devedor – Esta é a forma mesquinha de tratar o presente e quem sabe não seja por isto que nas festas de “amigo oculto” se estipule um “valor mínimo”, para que ninguém fique em dívida ou deixe o outro seu devedor. A pergunta que se precisa fazer é: Trata-se mesmo de presente o que se dá e o que se recebe desta forma?
- Maneira de receber afeto, amor e reconhecimento – Tratar o dar e receber presente como forma de atender às carências afetivas.
- Demonstração de poder – “Posso mais dou presente mais caro“ é o que parecem estar querendo dizer os que assim presenteiam.
- Compensações pela falta de tempo e atenção, “abafar a consciência”. Caso perguntemos aos envolvidos com o comércio quem compra os presentes mais caros, talvez nos surpreendamos que não sejam os mais ricos, mas sim aqueles com menos tempo para os seus queridos.

Para refletir nesses dias:

- Quem é o diferente para mim?
- Consigo perceber Deus mesmo naquelas pessoas que não expressam a mesma fé, ou mesmo a fé?
- Qual foi o sentido dos presentes que dei este ano?


Caso tenha interesse em receber semanalmente esses nossos comentários, envie-nos um e-mail que o acrescentaremos à lista:  fernandodiascyrino@gmail.com

1ª Leitura - Is 60,1-6
2ª Leitura - Ef 3,2-3a.5-6


www.genteplena.com.br
Fernando Cyrino
Enviado por Fernando Cyrino em 02/01/2014
Alterado em 02/01/2017


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras